Fotografia – Efeito de Movimento

Muitos de nós já reparámos em algumas fotos que demonstram movimento de objectos, nomeadamente nas revistas de carros onde encontramos muitas fotografias onde o carro é nítido e tudo o que o envolve aparece como “riscos”.

Este tipo de fotografias parece dar movimento ao “objecto” principal que neste exemplo seria o carro.

No meu portfólio tenho uma foto que demonstra esse mesmo efeito, a fotografia do Campino.

Azambuja - Feira de Maio - O Campino

Se analisarmos esta fotografia reparamos que o campino aparece bem focado e que tudo em volta parece ter ficado em movimento, o que dá a noção de que o campino está em movimento.

Sei que me vão dizer que é muito simples de fazer isto com software de edição de imagens, mas na realidade também dá para fazer com uma máquina fotográfica.

Podemos reparar num pormenor que não se repara à primeira vista, as pernas do cavalo não estão tão nítidas como o resto do cavalo e campino, porque será????….. 

 

 

Para que se possa tirar uma fotografia com este tipo de efeito são necessários alguns “requisitos”.

  1. Só é possível realizar este efeito se o “objecto” que queremos fotografar esteja em movimento.
  2. Mesmo que o “objecto” esteja em movimento não pode sofrer muitas alterações… ok, esta é confusa!!!… 

Vou explicar: Quando falo em alterações falo em mudanças de movimento dentro do objecto, no caso da fotografia do campino podemos pensar no seguinte, o campino montado a cavalo vai ficar mais ou menos na mesma posição, o cavalo também mas as pernas do cavalo têm que estar em movimento para que o cavalo ande…. (Quem diria!!!) Foi por isso que referi anteriormente para repararem nas pernas do cavalo. Dizendo por outras palavras, o “objecto” tem que estar em movimento mas a sua aparência em movimento tem que ser constante.

 

Ok, e como tiramos este tipo de fotografias???

  • Em primeiro lugar temos que escolher um tempo de exposição acima do normal. Porque o objectivo é acompanhar o “objecto” em movimento com a máquina fotográfica e termos a objectiva aberta enquanto acompanhamos o “objecto”.


  • Em segundo lugar e isto é muito importante, mesmo depois de sentirmos que o obturador já fechou, devemos continuar mais um tempo a seguir o objecto. Sei que isto parece ridículo mas por vezes paramos de acompanhar o objecto antes de o obturador fechar, assim temos sempre a certeza de que já fechou.

 

Quando falamos em escolher um temo de exposição acima do normal não é necessário escolhermos algo exagerado, se reparamos na fotografia do campino podemos ver que obtivemos este resultado com um tempo de exposição de 1/60 segundos. O que produz um efeito de movimento pouco acentuado, se tivesse alterado para 1 segundo teríamos um efeito mais acentuado e se fosse 2 segundos teríamos tudo o que envolve o campino com riscos sem se perceber o que estava de fundo e o campino nítido.Sim, mas tudo isto em teoria….. porquê?? Porque quanto maior for o tempo de exposição, maior é a dificuldade de obtenção da fotografia comeste tipo de efeito, o que não quer dizer que não a consigam obter, mas posso falar aqui de alguns factores.

 

Vamos seguir o raciocínio deste tipo de efeito para ver se entendemos como é que o tempo de exposição influencia a dificuldade de obtenção deste tipo de fotografias…. 

  • Se para obtermos este efeito temos que acompanhar o objecto em movimento, quanto maior for o tempo de exposição mais tempo temos que acompanhar o objecto, e o objecto tem que estar na mesma posição sempre que o acompanhamos não podemos estar a mover a máquina fotográfica para cima e para baixo por exemplo quando estamos a acompanhar um “objecto” que se move na horizontal, ou seja quanto maio for o tempo de exposição mais dificuldades temos em acompanhar o “objecto”.


  • Outro exemplo seria a diferença de luz, dando mais uma vez o exemplo da fotografia do campino, vamos imaginar que o iria acompanhar por 2 segundos ou mais, durante esses 2 segundos ele vai percorrer um determinado espaço, se nesse espaço estiver um foco de luz, como um holofote, sol mais intenso, isto vai fazer com que a foto fique muito clara. Em modo automático a máquina vai calcular a luz do ponto onde fizemos o foco do objecto. Neste caso mais vale tirar uma foto como se fosse-mos a acompanhar um objecto e vermos como fica, a imagem final, se está do nosso agrado, usamos a mesma definição de abertura e tempo de exposição para a foto final.

Posso falar por mim, de início é um pouco difícil mas com alguma prática ainda conseguimos aproveitar algumas fotografias que tiramos com este efeito.

Boas fotos….

Acompanhe e partilhe:

8 comentários

Novo Comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *